GONÇALO BYRNE ARQUITECTOS
 

Setúbal, Portugal

1975-1979

 
 

Photos: Daniel Malhão

Casal das Figueiras Social Housing (S.A.A.L.)

After the Carnation Revolution had deposed the authoritarian and fascist Estado Novo regime in 1974 in Portugal, Nuno Portas, Architect and Secretary of State for Housing and Urbanism of the new constitutional government, founded an office to guarantee access to housing with decent living conditions for people living in slums within a program called S.A.A.L. - Serviço Ambulatório de Apoio Local (Local Ambulatory Support Service), a people-powered architectural and community service providing collaborative design.

The terrain is located in the western fringe of the city of Setúbal in a very rugged area, at the foothills of the Serra da Arrábida with views towards the river Sado’s bay and the Atlantic Ocean. This situation and the strong inclination of the terrain with minimum flat areas determined the overall design for the single-family row houses, with the ancient mills defining a ridge line and the height of the row which seen from the Serra da Arrábida’s point of view resembles a continuous wall. From the side of the river, the rows of houses are set perpendicular to the terrain contour lines in order to optimize the strong inclination of the terrain and to reduce excavations for economic reasons, guaranteeing, at the same time, an independent access to each one of the houses, even in those cases where they are superimposed.

Nowadays, all the houses exhibit informal transformations by past and current inhabitants, being the color of the façades one of the most common features among the interventions. Nevertheless, the major principles of its design may still be recognised.

 
 

Português

A intervenção no bairro Casal das Figueiras insere-se numa das várias operações desencadeadas após a revolução de 1974, em resposta à acção reivindicativa dos moradores de bairros degradados, no âmbito do S.A.A.L. (Serviço de Apoio Ambulatório Local), que previa, numa primeira fase, a ocupação de 300 habitações no terreno livre expropriado em volta do bairro existente, e, numa segunda fase, a reordenação deste pela correspondente desocupação das barracas existentes.

O bairro localiza-se na franja Poente da cidade de Setúbal numa zona bastante acidentada, de contrafortes da Serra da Arrábida, polvilhada de antigas pedreiras cuja exploração comprometia a futura utilização do solo para construção. A caracterização morfológica do terreno, de declive acentuado, em que eram praticamente inexistentes as zonas planas (localizadas num curto troço da linha de cumeada), alguns elementos pré-existentes, como o pequeno troço da via romana Lisboa-Alcácer e os três moinhos, que pontuam a linha de cumeada e cuja presença foi reforçada por longos alinhamentos de habitação, funcionando como pontos de referência visual na composição urbana, determinaram conceptualmente a proposta.

O terreno existente e o tipo de habitação escolhido pelos moradores (unifamiliar com quintal) motivam o desenvolvimento em escada das bandas de construção, dispostas perpendicularmente às curvas de nível (que se verificou ser uma solução mais económica devido à constituição do solo, reduzindo ao mínimo as excavações), utilizando-se lotes estreitos e profundos. A proposta liga-se ainda ao bairro existente, envolvendo-o parcialmente, marcando linhas de conexão que originam situações pontuais de contacto. As cumeadas são materializadas pela grande marcação horizontal do construído sobre a crista do monte e, conjuntamente com as bandas mais altas, dispostas ao longo da cota do terreno, formam linhas de horizontalidade muito fortes, grandes gestos sobre o terreno, aos quais se contrapõem a estreiteza e inclinação dos arruamentos, numa segunda ordem de sensibilidade.